Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Prefeitura promove mobilização de combate ao Aedes aegypti

SERVIÇOS

Drone da Saúde

Prefeitura promove mobilização de combate ao Aedes aegypti

CEUs Butantã, Jambeiro, Perus, Meninos e Vila do Sol tiveram programação simultânea neste sábado (13) para engajar a comunidade contra o mosquito. Aplicativo e teste com drone também foram lançados
Prefeitura lança o Drone da Saúde

Créditos: Leon Rodrigues/SECOM

 

A Prefeitura de São Paulo promoveu neste sábado (13) uma série de ações e lançou novas ferramentas como parte do Dia Nacional de Mobilização para o Combate ao Mosquito Aedes aegypti. As atividades integram um esforço do governo federal no combate ao vetor da dengue, chikungunya e zika.

“A dengue é uma doença cujo combate exige muita mobilização da sociedade, porque muitos criadouros estão dentro das casas. Duas maneiras de contribuir são evitar jogar lixo na rua e evitar água limpa parada dentro de casa. Nós estamos contando com cinco mil homens das Forças Armadas, que começam a trabalhar hoje, vamos visitar as casas, vamos colocar o drone para sobrevoar as áreas onde os focos estão mais presentes e vamos aplicar tanto o inseticida como o larvicida nos terrenos da cidade”, afirmou o prefeito Fernando Haddad, em visita às atividades no CEU Jambeiro, na zona leste. O prefeito também participou das ações de bloqueio de criadouros em ruas da região de Guaianases.

Em uma parceria das secretarias da Saúde e Educação, cinco Centros Educacionais Unificados (CEUs) receberam uma extensa programação de ações educativas. Realizadas pelos agentes do Programa Ambientes Verdes e Saudáveis (PAVS), as atividades incluiram oficinas e mesas temáticas sobre o armazenamento seguro da água, higienização de verduras e legumes, passando pelo descarte adequado de resíduos, as formas corretas para eliminação dos criadouros do mosquito e exposições e jogos lúdico-pedagógicos sobre o Aedes aegypti. 

A ação atingiu as unidades do Butantã, na zona oeste; Jambeiro, na zona leste; Perus, na zona norte; Meninos e Vila do Sol, ambos na zona sul. No CEU Jambeiro, por exemplo, houve abordagens a motoristas ainda no clima do Carnaval, com marchinhas e fantasias temáticas em relação à conscientização sobre o tema.

A programação abrange todas as idades e tem como objetivo engajar não só as crianças que estudam nos CEUs, mas toda a comunidade do entorno das unidades. Na capital paulista, 85% dos criadouros do mosquito estão dentro das casas. “Nós vamos fazer o dia da dengue nas escolas, que vai ser na última semana de fevereiro. Educar as crianças pode ser um fator muito importante para mudar as posturas dentro das nossas casas”, explicou Alexandre Padilha (Saúde)

 Aplicativo

Também neste sábado (13), foi lançado o aplicativo para smartphones "Sem Dengue". Por meio dele, o cidadão poderá fotografar um local que considera como um criadouro do mosquito Aedes aegypti e enviar por meio da ferramenta, colaborando assim com o trabalho de combate aos focos. O aplicativo não serve como uma central de atendimento, mas sim, como banco de dados de informação da Secretaria Municipal de Saúde para mapear imóveis ou terrenos que possam servir de criadouros em determinada área.

 Drones

Também foi lançada neste sábado (13) a parceria para que a cidade de São Paulo conte com apoio de um drone para fazer o monitoramento dos Pontos Estratégicos em todas as regiões da cidade. A ação contará com um teste do equipamento. “O drone é um agente aéreo, permite uma vistoria mais rápida de vários prédios e casas, inclusive aquelas desocupadas ou que o proprietário não permite a entrada. Com isso vamos identificar se tem focos potenciais”, disse Alexandre Padilha. O equipamento será utilizado a partir de critérios técnicos, que rastreiam áreas com maior potencial de risco e de difícil acesso, com previsão de início a partir do dia 17. 

 Mapeamento

A Secretaria Municipal de Saúde mapeou mais de cinco mil locais onde há maior risco de proliferação do mosquito Aedes aegypti. O objetivo é direcionar as ações de controle vetorial para dar mais eficiência à prevenção de dengue, febre chikungunya e zika.

Com dados da Coordenação de Vigilância em Saúde (Covisa), o mapa considera dois tipos de áreas: 3.257 Imóveis Especiais (IE), que recebem visitas mensais de agentes de saúde por terem grande concentração e circulação de pessoas, como rodoviárias, hospitais e escolas; e 2.058 Pontos Estratégicos (PE), locais com baixa densidade de pessoas, mas com grande potencial de criadouros, como desmanches, pátios e borracharias, que recebem visitas quinzenais.

Nessas áreas, os agentes usam máquinas costais para aplicação do larvicida biológico BTi e fazem o bloqueio de possíveis criadouros.

Plano de prevenção

A Secretaria Municipal de Saúde apresentou em novembro passado um plano de combate à dengue, tendo como prioridade antecipar as ações de prevenção e controle vetorial antes do período mais crítico da doença. Desde o fim do ano, agentes de saúde fazem bloqueio de criadouros.

A implantação dos testes rápidos, cujo resultado fica pronto em 20 minutos, tem contribuído para o planejamento da Secretaria. Esses testes foram disponibilizados para todas as unidades de saúde e são realizados após indicação médica apenas em pacientes com perfil determinado.